• Cátia Castro

Saúde Mental e Auto-cuidado


O auto-cuidado é um conjunto de actividades e comportamentos que desenvolve de modo a sentir-se saudável e bem consigo mesmo(a).


O auto-cuidado não é apenas o cuidar da sua saúde física, é também o bem-estar emocional, pois ambos estão conectados.


É algo que pode aplicar a todas as áreas da sua vida, seja na vertente profissional, nas suas finanças pessoais, casa e família, ou amigos e vida social. É um mal-entendido ver o cuidado de si mesmo(a) como algo de egoísta, pois quanto mais energia tiver e quanto melhor for sua saúde, mais poderá ajudar os outros de uma maneira mais adequada. O esgotamento devido à dificuldade de arranjar tempo para si mesmo(a), ou de ficar exausto(a) e tenso(a), não ajudam ninguém.


Os pilares do auto-cuidado


O verdadeiro auto-cuidado envolve adoptar por um estilo de vida saudável, onde se empenha para fazer boas escolhas nas várias áreas da sua vida. Isso inclui:


- Saúde física: uma dieta saudável, exercícios regulares, bons hábitos de sono, boa higiene pessoal e uma baixa ingestão de álcool e tabaco. Também envolve procurar profissionais de saúde quando necessário, como médicos, dentistas, entre outros que sejam pertinentes para a situação que necessita de cuidar. Ao cuidar da saúde física poderá sentir mais energia, mais clareza mental, menos preocupação e, potencialmente, menos doenças e até uma vida mais longa.


- Saúde emocional: dedique um tempo para si, para analisar como se está a sentir, e para processar e respeitar as suas emoções. Significa encontrar um tempo para sentir e pensar as suas emoções, para chorar e também para rir. Significa empenhar-se para ser honesto(a) com os outros, sobre como se sente e porquê. Um bom auto-cuidado emocional é também cultivar o contentamento na sua vida.


- Saúde psicológica: está incluída na saúde emocional, vigie os seus níveis de stress e não permita que eles aumentem. Em seguida, procure fazer escolhas que o(a) levem a sentir-se conectado(a) a outras pessoas, como manter uma vida social saudável com pessoas que o(a) respeitam e apoiam, e praticar uma comunicação positiva. E, finalmente, procurar ver o melhor de si e ter uma boa auto-estima, bem como ter empatia e demonstração de compaixão pelos outros.


- Saúde espiritual: não se trata necessariamente de ter uma religião. É sobre escolher coisas na sua vida que o(a) fazem ter um senso de propósito e dão sentido aos seus dias. É assim sentir-se conectado(a) com a vida e com os outros. Cuidar de si mesmo(a) espiritualmente também significa gravitar em direcção a coisas que lhe trazem uma sensação de paz interior, em vez de coisas que lhe causam dor e drama.


Porque é importante o auto-cuidado?


O auto-cuidado actua como um barómetro do seu bem-estar. Se é um esforço muito grande cuidar de si mesmo(a), seja física, financeira ou emocionalmente, geralmente é um sinal de um desequilíbrio ou dificuldade psicológica, como por exemplo a depressão e baixa auto-estima.

Também pode ver o auto-cuidado como uma ajuda para aumentar seu bem-estar. Cada acto de auto-cuidado que faz, demonstra que está empenhado(a) em respeitar a si mesmo(a), aumentando sua auto-estima.

O auto-cuidado também pode ajudá-lo(a) a ter relacionamentos mais saudáveis. Pode mostrar aos outros que, assim como se trata a si com respeito, espera que os outros o(a) tratem com igual respeito. Se cuida de si próprio(a) possivelmente escolherá relacionamentos com outras pessoas que também elas cuidam bem de si mesmas, em vez de relacionamentos com aqueles que são destrutivos para si mesmos e para os outros.

Desenvolver uma rotina sólida de auto-cuidado é também importante, para garantir a continuidade da sua saúde física e psicológica.


Qual é o risco de minimizar o auto-cuidado?


Um auto-cuidado descuidado poderá ser um dos sintoma de depressão e, quanto mais deprimido(a) estiver, mais difícil pode ser ter a sua rotina de auto-cuidado. O baixo auto-cuidado pode também estar relacionado com problemas de sono, esgotamento, transtornos de ansiedade e adições.


Como estar atento(a) ao auto-cuidado?


O auto-cuidado implica olhar para as escolhas que faz em todas as áreas da sua vida. Para o(a) ajudar a pensar nelas, pense nas respostas às seguintes questões:

É uma escolha que mostra respeito próprio e bondade?

Estou confortável com esta escolha?

Esta é a melhor coisa possível para mim? Se não, o que é? É isso que desejo profundamente para mim? Isso traz-me uma sensação de paz e alegria? Esta decisão ou acção faz-me sentir positivo(a) e seguir em frente? Que outra escolha, objectivo ou acção eu poderia fazer nesta área da minha vida, que me ajude a sentir-me melhor comigo mesmo(a)?


Poderá analisar cada área da sua vida separadamente, nas suas escolhas e estabelecendo novas aspirações e metas. E essas áreas podem ser:

- Saúde e bem-estar

- Relacionamentos amorosos

- Vida familiar

- Amizades e vida social

- Ambiente de trabalho

- Finanças pessoais

- Vida doméstica

- Lazer e hobbies


Alguns passos para cuidar de si.

Aqui estão algumas sugestões para integrar mais auto-cuidado na sua vida:


Escolha a opção mais saudável na maioria das vezes. É muito difícil sentir-se bem psicologicamente ou ter energia para aproveitar a vida se se sentir mal fisicamente, então esta etapa não deverá ser negligenciada. Um estilo de vida saudável inclui uma dieta alimentar que proporcione energia e vitalidade. Também inclui exercício físico regular, que comprovadamente aumenta o bem-estar psicológico.


Reconheça e respeite suas próprias necessidades. Algumas pessoas confundem auto-cuidado com egoísmo. Mas, assim como é aconselhado a colocar sua própria máscara de ar antes de ajudar os outros nas directrizes de segurança do avião, a verdade é que suas necessidades devem de ser atendidas primeiro, para ter mais energia e clareza para ajudar os outros. É importante ser honesto consigo mesmo, sobre quais são suas necessidades.


Estabeleça limites e diga não ao que você não quer. Os limites são realmente a ferramenta mais importante quando se trata de um bom auto-cuidado. É muito importante reconhecer seus limites e segui-los. Dizer não aos outros pode parecer difícil no início. Mas pode ser feito muito bem e, com o tempo, torna-se mais fácil e quase agradável à medida que retoma a energia e o tempo que são seus por direito. Lembre-se, toda vez que diz não a algo que realmente não quer fazer, está a criar tempo para as experiências que deseja, e estabelecer os seus limites de descanso.


Deixe de lado o que não lhe serve mais. Reduzir o que não é importante para si na sua vida, cria mais tempo para o que valoriza. Quer sejam hobbies que pratica porque os seus amigos lhe pediram, ou grupos dos quais você entrou, mas agora participa por obrigação em vez de interesse, pergunte-se se isso o(a) faz sentir bem. Se realmente não quer alguém na sua vida, ou se os superou, deixe ir, siga com os seus projectos de vida. Se for difícil para si, a consulta de psicologia pode ajudá-lo(a) a identificar e gerir a transição da maneira que funcione melhor para si. Esteja atento aos comportamentos que poderá estar a fazer por culpa ou obrigação, não por cuidado próprio. E a obrigação muitas vezes leva ao ressentimento, a pensamentos negativos e, a longo prazo, possivelmente a dificuldades psicológicas, à medida que fica cada vez mais exausto(a) por ir contra si mesmo(a) para agradar aos outros.


Estabeleça objectivos alcançáveis ​​e trabalhe para alcançá-los. Ter um senso de propósito faz parte de um bom auto-cuidado. Os sonhos, os objectivos, mantêm-no(a) questionando o que quer e caminhando para isso. Os objectivos, ou metas não precisam de ser todos grandes. Pode definir mini-metas realizáveis numa base regular, para aumentar o seu sentido de auto-realização.


Torne o prazer inegociável. É impossível cuidar de si mesmo(a) sem ter tempo para aproveitar a vida. Dizer a si mesmo(a) que vai reservar um tempo para fazer algo de que gosta, quando o trabalho for concluído em alguns anos, pode ser um sinal de excesso de foco no trabalho que muitas vezes leva ao esgotamento. Quer seja um tempo com sua família, uma sessão de ginástica ou uma noite sem fazer nada, coloque o tempo para a diversão na sua agenda, da mesma forma que o faria com qualquer outra prioridade. Isso lhe dará mais energia para o trabalho, não menos.


Cultive relacionamentos de apoio. Sentir-se conectado(a) a outras pessoas é considerado a base para uma boa saúde mental. Os relacionamentos são muito importantes, até vitais. Escolha os seus com cuidado e reserve um tempo para as pessoas com quem mais pode ser você mesmo. É melhor ter alguns bons amigos do que muitos conhecidos. Se tem dificuldades nos seus relacionamentos, conhecer o porquê e aprofundar essas e outras questões na consulta de psicologia, pode ajudá-lo(a) a relacionar-se melhor com os outros.


Ouça-se a si mesmo. Descobrir-se e quais são seus valores e crenças é uma forma de auto-cuidado. Passar algum tempo sozinho(a) de tempos a tempos é uma maneira de entrar em contacto com o que está a pensar e sentir, assim como por exemplo fazer um diário e uma prática diária de atenção plena - mindfulness.

De vez em quando, faça a si mesmo perguntas para ajudá-lo a manter contacto consigo mesmo, como: Que actividades gosto mais de fazer? O que mais eu gostaria de tentar? Quando é que me sinto mais alegre e com mais energia? Quem me dá um sentido de conexão e força, e como posso reservar mais tempo para essas pessoas? O que me faz sentir um propósito ultimamente, e como posso fazer mais?


Aceite o apoio/ajuda. Às vezes, o melhor auto-cuidado de todos é deixar que outras pessoas o façam. Aprenda a delegar em vez de gerir tudo que precisa ser feito sozinho(a). E quando estiver com dificuldades emocionais, procure apoio àqueles que ama e confia ou procure a ajuda na consulta de psicologia onde poderá estar num ambiente de apoio e desenvolvimento.


Se tem dificuldade em cuidar de si mesmo ou sente uma mudança repentina no seu interesse em cuidar de si mesmo, pode ser um sintoma de dificuldades psicológicas. A consulta de psicologia pode ajudá-lo(a) a identificar o porquê da diminuição da sua auto-estima e ajudá-lo(a) a encontrar soluções.


Agende a sua consulta de psicologia: catiacastro.psicologia@gmail.com