• Dra. Cátia Castro

Depressão e Tristeza, qual a diferença?



Todos nós sentimos tristeza devido a determinadas situações, mas a depressão é algo mais do que isso, são por vezes sentimentos e pensamentos sem esperança, de estar em falta com algo e com alguém, é um adiar de tarefas. O tempo parece que corre mais lentamente, tendo a sensação de que a pessoa não o consegue acompanhar, contribuindo ainda mais para a desvalorização de si. A pessoa muitas vezes recolhe-se na relação com os outros, não apetece ir ter com este ou aquele amigo, custa sair de casa, é difícil sequer pensar em vestir, entre outras situações.


A depressão é então um sentimento de extrema tristeza ou desespero que dura semanas, meses e até anos. Interfere nas actividades da vida diária, tendo também manifestações físicas, como distúrbios na alimentação, fadiga, dores de cabeça, dor crónica, dificuldades no sono.


As pessoas com depressão frequentemente sentem uma baixa energia e iniciativa, dificuldades de concentração, irritabilidade, dificuldades em tomar decisões, baixa auto-estima, falta de esperança, tudo é generalizadamente mau, sentem alguma culpa, têm sentimentos de solidão, vazio, aborrecimento. A auto-crítica é também uma forma de voltar a agressividade para si mesmo, desvalorizando-se.


Algumas pessoas "mascaram" a depressão através de excesso de trabalho, por vezes algumas pessoas recorrem ao abuso de substâncias para procurar mitigar o seu sofrimento, piorando assim a sua situação.


A depressão, ou outra patologia, não representa a pessoa no seu todo, pode ter partes em si em dificuldades, mas tem outras partes saudáveis que podem ser trabalhadas na psicoterapia, por forma a que a pessoa possa viver o seu presente, projectando-se num futuro consigo próprio e na relação com os outros de forma saudável.


A saúde mental passa pela pessoa se poder auto-examinar de forma crítica, no seu funcionamento geral, passando pela regulação das suas emoções, da sua esfera familiar, de amigos, de trabalho, verificando a sua capacidade de lidar com o seu dia-a-dia, com bem-estar geral. Quando existem dificuldades nestas esferas pessoais, é quando se pode considerar a ajuda de um psicólogo, de forma a compreender e intervir neste funcionamento geral, e não apenas nos sintomas.


Assim, sistematizando alguns sinais de Depressão, temos:


Alguns destes sintomas estão presentes durante duas semanas ou mais:


- Tristeza; Desesperança; Vazio, a vida parece vazia, a nossa capacidade de experienciar emoções positivas está diminuída.

- Sentimento de apatia, com perda de energia e interesse.

- Choro fácil, sentimentos de culpa, inferioridade (podendo ser acompanhados por pensamentos de morte).

- Alterações de sono, apetite e/ou peso, diminuição de libido.

- Dificuldade em trabalhar e pouca disponibilidade para a relação com os outros.

- Pouco ou nenhum prazer em actividades, anteriormente sentidas como agradáveis.

- Pode ter sintomas físicos.

- Grande intensidade e durabilidade (a maior parte do dia, ou quase todos os dias).

- Estes sintomas afectam a vida pessoal, familiar, social e profissional.


Comparando com a Tristeza adaptativa, esta é per si uma emoção e, é momentânea.

- É inerente à pessoa, que não impede que se viva outras emoções, caso o contexto se altere.

- O luto é uma resposta natural e a tristeza a sua tonalidade afectiva.

- Todas as emoções fazem parte da vida e têm uma função na saúde da pessoa, podem ser uma reacção saudável que nos protege das ameaças externas ou internas.

- Depois de chorar, sentimos muitas vezes alívio. A tristeza permite-nos descansar e reorganizar.

- A tristeza mostra que precisamos de ajuda, conforto e apoio.



A depressão é para ser levada a sério e apresenta diferentes graus e duração.


Depressão - Ponto de partida para a mudança:


- Marcar uma consulta de psicologia.


- Organizar e enriquecer o seu quotidiano de uma forma estruturada para que seja mais alegre, com experiências positivas e poucas negativas, bem como reduzindo obrigações.


- Fazer actividades variadas e agradáveis.


- Comece devagar, não se coloque sob pressão. Toda a mudança é stressante, as mudanças precisam de tempo e paciência. Desistir é inútil.


- Elogiar-se e aceitar elogios, reconhecendo qualidades em si.


- Durante uma depressão tudo parece difícil, mas procure fazer algo para mudar.


- Envolver pessoas de confiança, familiares no processo.


- Permaneça activo, não se isole. Cultive os contactos sociais e apoio dos outros. O recolhimento é um alívio apenas momentâneo, surgindo uma espiral de evitamento, resignação e fortalecimento da melancolia.


- Sono, alimentação e movimento. Desenvolver um bom auto-cuidado em que tenha boas e suficientes horas de sono.


- Faça exercício físico e também de relaxamento como por exemplo ioga, a meditação mindfulness.


- Tome atenção à sua alimentação, procure alimentos saudáveis assegurando a ingestão suficiente de nutrientes necessários ao seu bem-estar.


- Organize os seus dias e noites de forma relaxante e prazerosa, fazendo um equilíbrio entre obrigações e actividades agradáveis. São as actividades agradáveis e relaxantes que devem de terminar o seu dia.



Para marcação da sua consulta online ou presencial: catiacastro.psicologia@gmail.com